segunda-feira, 31 de outubro de 2011

RESGATANDO A HISTÓRIA DA PARÓQUIA - história da Comunidade do Dambe.



ruínas da Matriz de São Miguel construída em 1608.

RESGATANDO A HISTÓRIA PAROQUIAL
HISTÓRIA DA COMUNIDADE DO  DAMBE
HISTÓRIA DA PARÓQUIA DE SÃO MIGUEL DE COTEGIPE
colhido por Frei Severino Fernandes de Sousa, OFM

         Segundo o Sr. Jerônimo, antigo morador do Dambe, até o a no de 1935 havia missa na Igreja do Dambe, todo o dia 29 de cada mês, celebrada; não sabendo ele dizer por qual motivo a Igreja caiu e as terras foram abandonadas.
         O povo de Deus em Simões Filho é como a história do João Teimoso, que por ser teimoso fica sempre de pé, mesmo recebendo pancadas na cabeça e no rosto o João Teimoso não cai, assim continua a ser a história do povo católico de Simões Filho; pois o templo da Igreja Católica construída no Dambe em 1608, conseguiu servir ao povo católico por trezentos e vinte e sete anos ininterruptos, quando não se sabe por qual motivo de descaso e desprezo a Igreja foi abandonada, como o foi as terras da Igreja, seu povo disperso,


                                                   possível local do cemitério do Dambe.

e até o cemitério do Dambe que só sabemos que existia cemitério porque os mais antigos contam que se trazia os defuntos em canoa, das comunidades de Cotegipe, Santa Luzia e de outras Comunidades para serem enterradas no Dambe;



porém atualmente não se tem vestígio deste cemitério, apenas uma vaga localização; apesar de todo este sofrimento o povo de Simões Filho teima em ficar de pé, em acreditar no seu Deus vivo e verdadeiro, que é o Deus de Abraão, de Isaac e de Jacó, foi assim que ergueram uma Capela de São Miguel dentro da repartição da CHESF. Companhia hidrelétrica de São Francisco, que ainda hoje existe no distrito de Cotegipe; ali, de 1936 até a década de 1950 existia, Clube Social, Carpintaria, Conjunto Residencial, e a referida Capela de São Miguel, atualmente nada disto existe, foram demolidas não só a Capela de São Miguel, mas também o Conjunto Residencial, o Clube Social, a Carpintaria, etc, continua existindo apenas a repartição da CHESF, que por sinal a estrada que dá acesso à repartição partindo de Simões Filho, é uma estrada sem energia, e que à noite é perigoso se andar, mesmo de carro, por causa dos ladrões, e na CHESF é proibido até de fotografar de perto.


                              Antiga Matriz de São Miguel em 1991,
                     hoje sede do Pavilhão do fogo símbólico da independência. 


              O Pe. Birne, na década de 1960, passou a celebrar missas, batizados, casamentos, e a organizar a Pastoral Paroquial na Igreja de São Miguel situada na Praça da Bandeira, atual Praça Noêmia Meireles, também não sabemos por qual motivo esta referida Matriz, no ano de 1992, passou a ser a sede do Pavilhão do fogo simbólico da independência, foi o Pe. Emile Felix Wagner - Pe. Emílio – quem construiu a atual Matriz de São Miguel de Cotegipe, situada no outro lado da mesma Praça Noêmia Meireles.
         OS RECENTEES PADRES DA PARÓQUIA DE SÃO MIGUEL DE COTEGIPE
1)   Pe. Antônio Monteiro, no Dambe, antes de 1968, provavelmente nas décadas de 1940 até 1950.
2)   Pe. Luis Palmeira, na década de 1950.
3)   Pe. Birne entre os anos de  1960 a 1968.
4)   Pe. Emílio e o Pe. Pedro chegaram no ano de 1968.
5)   Pe. Pedro ficou nos ano de 1968 e 1969.
6)   Pe. Emílio de 1968 a 1999, quando faleceu.
7)   Pe. Kleber Santana de 200 a 2004.
8)   Pe. Alex Oliveira de Almeida, de 2005 até os dias atuais.

DIÁCONOS DA PARÓQUIA DE SÃO MIGUEL DE COTEGIPE.

                        Diácono Roberto Bitencourt e Paroquianos.




                                               Diácono Antônio.

O RESGATE HISTÓRICO LITÚRGICO.

O atual Pároco Pe. Alex Oliveira de Almeida foi quem resgatou a história da Paróquia de São Miguel de Cotegipe, cercando com arame farpado os terrenos da Igreja Católica, e instituindo a celebração da Santa Missa, todo o dia 29 de cada mês nas ruínas da Igreja do Dambe, pois as ruínas da Igreja do Dambe, representa como o povo Simõesfilhense é valoroso e varonil, e não perde para os mártires de antigamente que defenderam a fé em Deus, também o povo de Simões Filhos vê nas ruínas da Igreja do Dambe o nascedouro da fé católica nesta região baiana que engloba os municípios de: Madre de Deus, São Francisco do Conde, Candeias, São Sebastião do Passé, Ilha de São João, Camaçari, Dias Dávila, Nova Dias Dávila, Mapele, etc; e com o povo pobre da Comunidade do Dambe iniciou uma pastoral de evangelização.
                 
           

                                              A nova Capela da Comunidade do Dambe.


 O atual Pároco Pe. Alex, em março deste ano de 2011, levou os paroquianos para o Dambe onde, junto às ruínas da Igreja ficou um grande cruzeiro de madeira; meses depois, construiu outro cruzeiro menor de tijolo, e uma capela rústica, onde, como já disse, todo dia 29 de cada mês, leva paroquianos do centro de Simões Filho para participar da Santa Missa juntamente com os moradores da Comunidade do Dambe.

                                           Vila da Comundade do Dambe.

2 comentários:

  1. sou estudante de história e gostaria de saber como chego as ruínas dessa igreja.

    ResponderExcluir
  2. vou deixar meu e-mail para contato eduardoalexandre84197103@gmail.com preciso saber como faço para chegar nas ruinas dessa igreja. me ajudem pelo bem da história.

    ResponderExcluir